Aumentar(+)   Diminuir(-)

Especial Urcamp
Maio / 2005

Boletim Informativo do SINPRO/RS, entidade filiada à CUT e CONTEE


URCAMP
Faltam propostas concretas
para sair da crise


urgência solicitada pela reitoria da Urcamp para a primeira reunião (em março) seguiu-se uma sucessão de adiamentos e, especialmente, a falta de qualquer proposta mais concreta no segundo encontro realizado no dia 27 de abril. Passaram-se portanto quase dois meses entre uma reunião e outra. Como todos sabemos, neste meio tempo se agravou o problema salarial dos professores dos campi de Bagé e Santana do Livramento, e, é claro, a bandeira de uma solução redentora começou a ser agitada. Sim, estamos falando da federalização da Urcamp.

Após a viagem de uma comitiva a Brasília, o assunto estourou na imprensa de Bagé e depois em toda a região de atuação da Universidade, sem que a perspectiva de termos mais uma universidade pública federal no Rio Grande do Sul merecesse algum espaço mais destacado na grande imprensa estadual. Seja por realismo ou falta de disposição em repercutir projetos que possam ter viés eleitoreiro, o fato é que o assunto por enquanto não existe para a opinião pública fora da região.

Sobre o assunto, o Sinpro/RS também se pauta pelo senso de realidade, correndo todos os riscos de alimentar a sempre pronta disposição do status quo de buscar responsáveis externos pelos seus fracassos. A análise fria sobre a federalização da Urcamp obriga-nos a considerar inicialmente que oRio Grande do Sul já tem quatro universidades federais além da Faculdade Federal de Ciências Médicas de Porto Alegre, três das quais estão na metade sul do Estado.

Decorre daí que mesmo superando toda a política de contenção de gastos públicos doMinistro Palocci, a intenção ainda tem que vencer a resistência do somatório de políticos comprometidos, quase todos tão-somente, com as suas próprias paróquias e com pouca propensão a considerar a importância estratégica de mais uma universidade federal para alavancar o desenvolvimento da metade sul do nosso Estado.



"Nosso compromisso
primeiro é com a
categoria dos professores
do ensino privado
gaúcho. Entre eles, os da
Urcamp no caso
específico com a
regularidade dos seus
salários e demais
condições contratuais."



PROFESSORES
- Superadas todas estas adversidades, é preciso considerar, agoraemnome dos interesses corporativos, que fazemos por bem representar que a solução da Instituição não será necessariamente a solução dos professores.

Docentes de universidades federais são servidores públicos, ingressantes via concurso público e regidos pelo regime estatutário. Vai daí que a possibilidade de a União incorporar automaticamente o atual corpo docente da Urcamp é tão remota quanto assumir o gigantesco passivo da própria Instituição. Só para lembrar, o governo está se negando a assumir a Varig, apesar de toda a importância estratégica desta para o país.

Feitas as ponderações necessárias em nome do senso de realidade, queremos reafirmar o compromisso histórico do Sinpro/RS com a ampliação da oferta pública de todos os níveis de ensino, em especial do nível superior. Nosso compromisso primeiro, no entanto, é com a categoria dos professores do ensino privado gaúcho. Entre eles, os daUrcamp no caso específico com a regularidade dos seus salários e demais condições contratuais. Se por injunções várias a federalização da Urcamp prosperar, acreditamos ser nosso papel negociar as melhores condições para os professores na transição da Instituição, da iniciativa privada para o setor público.


Enquanto isso...


Voltando à realidade e aos problemas concretos dos professores da FAT/Urcamp – falta de salário em decorrência de um quadro quase falimentar da Instituição –, a segunda reunião da Reitoria e da Comissão Especial com o Sinpro/RS acenou com o agravamento da situação e apontou como solução um ajuste administrativo, já prometido no ano passado e não realizado, mas agora incluindo a redução salarial dos professores e funcionários.

Por enquanto são acenos, não há ainda nada de concreto. Uma proposta está prometida para ser entregue ao Sinpro/RS até o dia 15 de maio. Remédio amargo, se bem que realista, considerando-se o quadro que está apresentado. Só restou à Instituição recorrer aos seus próprios professores. Na reunião, pouco assunto sobre a federalização. “É uma possibilidade”, palavras de um membro da Reitoria. “É uma necessidade”, diz um integrante da Comissão Especial.

Sobre os salários atrasados (1/3 de férias emarço) e o de abril que vencerá em 10 de maio, nenhuma perspectiva. A situação nos levou de volta ao judiciário. Na mesma reunião, a Reitoria informou que convocará professores para assembléias institucionais onde mais uma vez relatará a gravidade da situação.

O Sinpro/RS por sua vez está convocando assembléias dos professores para discutir as propostas da Reitoria para o equacionamento dos problemas da Instituição e do salário por conseqüência.

Está na hora de começar a participar mais!




Calendário de Assembléias Gerais
dos Professores da Urcamp


SÃO GABRIEL
18/05, às 20h30, no auditório do Centro 1 (campus)

BAGÉ
19/05, às 18 horas, na AABB

SANTANA DO LIVRAMENTO
24/05, às 20h30, no campus

CAÇAPAVA DO SUL
25/05, às 18 horas, no campus

SÃO BORJA
31/05, 20h30, sala de reuniões do campus

ALEGRETE
01/06, no salão de atos do campus


Unidade acadêmica e administrativa entre os campi

A Universidade vem sendo há tempos uma unidade fictícia. Falta-lhe unidade acadêmica e declaradamente unidade administrativa. O tratamento aos professores tem sido desigual.Emnome do quê?

O valor da hora-aula dos campi, no entanto, é isonômico.

Como ficará no caso de redução salarial? Todos os docentes terão redução?

Por quê? Por que não?

Esta é uma questão que os professores estão desafiados a discutir nas assembléias que se seguirão.


SINDICALIZAÇÃO
Faça parte do Sinpro/RS

A Campanha de Sindicalização 2005 do Sinpro/RS, iniciada em 12 de abril, já contabiliza mais de 500 novos sócios, representando 28% da meta de 1,8 mil novos
sindicalizados. Esses 500 associados sabem: "Quem é professor é Sinpro/RS - Com o Sinpro/RS você ganha sempre" (slogan da campanha).

Queremos neste ano ultrapassar a marca de 60% da totalidade dos professores do ensino privado do Rio Grande do Sul. Atualmente, mais de 50% da categoria já faz parte do quadro social do Sindicato. Muitos dos novos sócios vêm da Educação Superior, pois cada vez mais os docentes estão se conscientizando da importância de fazer parte do Sindicato. Na Urcamp, por exemplo, cerca de 52% já são associados, mas é preciso muito mais.

Diante de um histórico de sucessivos descumprimentos da Convenção Coletiva de Trabalho na Universidade e do desrespeito aos direitos básicos dos professores, torna-se cada vez mais urgente a ação da única entidade que pode representar os docentes nessas questões, o Sinpro/RS. Além disso, os sócios desfrutam de uma gama de vantagens e serviços.

Neste ano, o sistema de recompensas é o seguinte: a cada três associados, o sindicalizador ganhará uma cadeira de praia; a cada dez novos sócios, o prêmio será um final de semana em Gramado, com acompanhante. Todos os sindicalizadores concorrerão, em sorteio que acontecerá no dia 23 de julho, a três viagens para Buenos Aires, com acompanhante. Seja você também um sócio sindicalizador.

Se não for sócio, sindicalize-se. Mais informações e regulamento no site:
www.sinprors.org.br/cadastro.




Quadro dos atrasos salariais da Urcamp*

BAGÉ: 50% de fevereiro; metade do 1/3 das férias; março
SANTANA DO LIVRAMENTO: 50%de março
DOM PEDRITO: situação regularizada
ALEGRETE: 1/3 de férias
SÃO GABRIEL: não foram pagas diárias de novembro e dezembro de 2004
SÃO BORJA: professores que ministraram cursos de
especialização em 2004 ainda não receberam
ITAQUI: professores que ministraram cursos de
especialização em 2004 não receberam
CAÇAPAVA DO SUL: fevereiro; 1/3 de férias dos
professores de pedagogia e pós-graduação e preparatório
dos professores de pedagogia

* Levantamento efetuado até 03 de maio de 2005



Voltar   Imprimir

Sinpro/RS - Av. João Pessoa, 919 - Farroupilha - CEP 90040-000 - Porto Alegre - RS - Fone (51) 4009 2900 - Fax (51) 4009 2917 - Filiado a CUT, Contee e Fetee/SUL

© Copyright 2006 - 2017, Sinpro/RS - Todos os direitos reservados.