MEC: 20% das redações do Enem foram avaliadas por 3º corretor


Comunicação Sinpro/RS
MEC | Publicado em 04/01/2013


Dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), órgão do Ministério da Educação (MEC) responsável pelas provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), apontam que 20,10% das redações da última edição da prova foram avaliadas por um terceiro corretor – o que corresponde a mais de 826,7 mil textos. No total, foram corrigidas 4.113.558 redações.

A terceira correção é feita quando ocorre uma diferença superior a 200 pontos nas notas atribuídas pelos dois primeiros corretores. Em anos anteriores, isso ocorria quando a discrepância entre as duas primeiras notas superava os 300 pontos.

Ainda de acordo com o Inep, 1,82% das redações foram entregues em branco e outras 1,76% receberam a nota zero – o que acontece quando o candidato ferir as regras propostas no edital (fugir ao tema proposto, apresentar estrutura textual que não seja a do tipo dissertativo-argumentativo, entregar folha em branco ou com sete linhas ou menos, copiar os textos motivadores, utilizar desenhos ou palavras de desrespeito aos direitos humanos).

Outras 100.087 redações foram corrigidas por uma banca de examinadores, o que corresponde a 2,43% do total. Essa banca, que passou a operar a partir da edição de 2012, atua nos casos em que a diferença entre as notas dos três avaliadores permaneça superior a 200 pontos. Composta por três professores, a banca é responsável pela atribuição da nota final ao participante.

“Os números ficaram dentro do previsto nas simulações realizadas por técnicos do Cespe (Centro de Seleção e de Promoção de Eventos da Universidade de Brasília) e pela comissão de especialistas do Inep, composta por pesquisadores e membros da Associação Brasileira de Avaliação (Abav)”, disse o presidente do Inep, Luiz Claudio Costa.

Capacitação
O Inep ainda destacou que, para atuar na avaliação das provas do Enem, os corretores passaram por dois meses de treinamento presencial e a distância, no qual foram abordadas as especificidades de cada competência e o conjunto do texto. Nas duas semanas seguintes à prova, os profissionais passaram por nova capacitação, voltada para a correção do tema de 2012 – O Movimento Imigratório para o Brasil no Século 21.

“Os examinadores foram submetidos a pré-teste de avaliação da capacidade de proceder à correção de acordo com o padrão estabelecido pela banca examinadora”, informou o Inep.
Enem

O Exame Nacional do Ensino Médio foi criado em 1998 pelo governo federal com o objetivo de avaliar o desempenho do estudante ao fim da educação básica. A partir de 2009, o teste passou a ser utilizado também como mecanismo de seleção para ingresso no ensino superior.

Neste ano, os candidatos resolveram, no dia 3 de novembro, questões de Ciências Humanas e suas Tecnologias e de Ciências da Natureza e suas Tecnologias. Já no dia 4 de novembro, foi a vez dos testes de Linguagens, Códigos e suas Tecnologias, Matemática e suas Tecnologias, e Redação. Após a conclusão das provas sem nenhum problema, como já havia sido registrado em edições anteriores, o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, comemorou o “sucesso” do exame.

Com informações de Terra Educação.