Universidades conceituadas mundialmente oferecem cursos gratuitos on-line


Por Comunicação Sinpro/RS
Educação | Publicado em 29/01/2013


Os Moocs (sigla em inglês para cursos massivos abertos online) são o assunto do momento em ensino a distância. Aulas de universidades americanas de elite como Yale, Harvard ou Princeton podem ser assistidas gratuitamente por qualquer pessoa que tenha acesso à internet em sites como edX e Coursera. Estes são os maiores atrativos para quem procura educação de qualidade. No entanto, não basta se inscrever. O ritmo de aulas é puxado e exige dedicação e disciplina.

O UOL se inscreveu na Coursera, um dos Moocs mais populares, para ver se é possível conciliar os estudos com a vida profissional e a pessoal de um jornalista. O curso escolhido foi “Introdução à Sustentabilidade”, da Universidade de Illinois, com duração de dois meses.

A cada semana, um novo tema era abordado: população, ecossistema, mudanças climáticas, energia, agricultura e recursos hídricos, política e economia ambiental e, finalmente, sustentabilidade, ética e cultura.

Cada um dos módulos deveria ser completado em sete dias, totalizando de 10 a 12 horas de estudo por semana, sem contar a leitura de textos sugeridos e as tarefas. Como o curso foi formatado em sete dias, durante o final de semana e-mails eram enviados aos inscritos para que dessem seguimento aos estudos.

As atividades obrigatórias listavam a leitura de um livro de 643 páginas (disponível para download) e a participação em dois fóruns de discussão. Um geral, com colegas do mundo todo que se inscreveram no curso, e outro com perguntas e respostas de especialistas. Ao final, seriam criados dois projetos relacionados à sustentabilidade.

O idioma inglês não foi problema. No entanto, a jornalista não deu conta das tarefas, feitas depois do expediente de trabalho e que tomavam quase duas horas do seu dia.

A experiência ajuda a entender os altos números de evasão. O curso “Pense novamente: como raciocinar e argumentar”, oferecido pela Universidade de Duke no Coursera, teve 180 mil inscritos, informa o jornal Charlotte News Observer. Na oitava semana de aulas, apenas 26 mil alunos eram considerados ativos, sendo que só metade deles tinha feito os exercícios esperados para aquela semana.

Confira neste link os cursos oferecidos pelas universidades americanas.

Com informações de UOL.